Região:

min

max

Anuncie aqui

Pé-de-meia: saiba como juntar dinheiro para emergências

Economista Euclides Teixeira Neto dá dicas de como enxugar gastos, traçar metas e registrar ganhos e gastos

Por Mariana Navarro
(Atualizado em 27/06/2022 - 9h03)
Compartilhar

Um conserto não previsto no carro, um reparo de última hora na casa, uma necessidade de saúde inesperada. Todas as situações acontecem com frequência, mas ainda geram preocupação entre as pessoas que não possuem uma reserva financeira para resolvê-las.

Como ter um “pé-de-meia” é importante, o temmais.com conversou com o economista Euclides Teixeira Neto sobre como enxugar gastos, traçar metas e registrar ganhos e gastos. Confira abaixo as dicas divulgadas pelo especialista de Araçatuba (SP).

 

Dê o primeiro passo

O especialista explica que é fundamental guardar um dinheiro para emergências.

“São recursos guardados para eventuais imprevistos, ou seja, gastos inesperados que podem ocorrer. Por exemplo, uma viagem inesperada, gastos hospitalares, franquias de seguros, multas, oficina, etc. Os recursos são importantes porque as pessoas nunca sabem quando infortúnios vão ocorrer. Eles evitam que se pegue dinheiro emprestado com bancos”, diz o economista.

 

Tenha um bom planejamento

Além do entendimento, é preciso ter planejamento e separar as contas fixas das demais despesas.

“Deve-se inicialmente relacionar todos os gastos familiares, como as despesas fixas e variáveis, e incluir as reservas em gastos fixos em percentual mensal a guardar. Recebe o salário e guarda 5, 7, 8, 9 ,10%. Este valor pode ser guardado em renda fixa ou variável, mas não pode entrar no rol de despesas”, afirma Euclides.

 

Como fazer um bom planejamento financeiro?

O economista afirma que é importante entender o perfil da pessoa que quer guardar dinheiro.

“Para cada tipo de pessoa existe um planejamento financeiro. No caso de um investidor, ele deve conhecer o mercado, ter educação financeira e ganhar dinheiro com operações financeiras e juros compostos. O bom planejamento depende da disciplina pessoal e familiar, bem como se orientar por objetivos de médio e longo prazo, como financiar estudos, viagens, troca de carros, casa própria, aposentadoria, ter seu próprio negócio”, explica.

 

Registrar os gastos pode ajudar

O registro dos gastos familiares são fundamentais para o sucesso do planejamento financeiro.

“Se não tem controle dos gastos, não tem objetivos alcançáveis e fica na dependência de financiamento de bancos, com juros altíssimos. O controle de gastos com alimentação, lazer, habitação devem ser conhecidos e mapeados”, alerta o economista.

 

O cartão de crédito é um vilão?

Para o economista, o cartão pode ajudar muito, além de oferecer certos benefícios, como milhas, cashback e parcelamento de contas.

“No entanto, não vale a pena ter mais do que um cartão, tampouco pagar o mínimo, ou usar o limite do cartão em dinheiro. O que é gasto com ele entra no rol de despesas e deve ser controlado, por exemplo, compras de supermercado, o lançamento não deve ser cartão de crédito e sim, despesas de supermercado”, conta.

 

Corte os gastos desnecessários

Segundo o economista, a saída é enumerar as compras de supermercado, gastos com lazer, planos de internet, celulares, habitação, roupas e etc.

Além disso, cortar o que não usa, o que pode ser compartilhado, gastos excessivos, supérfluos e prestar atenção na economia que terá nos meses seguintes